Categorias

Os desafios da indústria de hortifrutis no mercado mundial

Varejo e indústria tem desafios e oportunidades para atender as mudanças de hábitos alimentares dos consumidores. Foto: Divulgação

 

Confira abaixo, o artigo da executiva Cathy Burns, CEO da Produce Marketing Association, que analisa como a tecnologia está reestruturando o setor de produtos agrícolas frescos no mundo e suas consequências.

E os desafios do varejo para educar os consumidores a incluir mais frutas e verduras em suas refeições.

Além das oportunidades para que a indústria para traga mais inovações que demonstrem o potencial dos hortifrutis com novas abordagens estratégicas de marketing que combinem merchandising, publicidade e conteúdo on-line envolvente.

A  Produce Marketing Association (PMA, na sigla em inglês) é uma organização comercial que representa empresas de todos os segmentos da cadeia global de flores, frutas, legumes e verduras, atuando em 55 países. 

Segundo a entidade, o objetivo é ajudar seus integrantes a crescer,  fornecendo conexões que expandam as oportunidades de negócios e aumentem as vendas e o consumo.

 

Avanço tecnológico e investimentos levam ao crescimento do setor.

Aumento da robótica, do varejo a serviços da indústria alimentar incluindo a entrega da comida em casa é força inovadora em toda cadeia de suprimentos

 

O Produce Marketing Association – PMA – é uma entidade que  representa a indústria de Flores, Frutas, Legumes e Verduras com atuação em 55 países. A discussão hoje é como a tecnologia está reformulando a indústria global de produtos agrícolas frescos.

Sem dúvida a inovação tecnológica e os investimentos levam ao crescimento do setor, com o aumento da robótica em todos os setores da indústria – do varejo a serviços da indústria alimentícia até entrega de comida em casa, que é uma força inovadora em toda a cadeia de suprimentos.

No ano passado, os níveis de financiamento da tecnologia agroalimentar atingiram um recorde de US$ 16,9 bilhões, em comparação à cifra de US$10,1 bilhões do ano de 2017.

Interessante notar que houve aumento de US$3 bilhões em investimentos nos setores de varejo, serviços da indústria alimentícia e e-commerce em comparação ao valor investido no lado produtivo da cadeia de suprimentos.

Cathy Burns, CEO da Produce Marketing Association, falou sobre os desafios do mercado de frutas, legumes e verduras durante evento em SP. Foto: Divulgação

 No lado produtivo houve investimentos de US$6,9 bilhões em tecnologias na unidade agrícola,que aumentam a eficiência e os rendimentos e administram os desafios de recursos.

No Brasil, a tecnologia e a sustentabilidade da agricultura foram combinadas no Mercado Verde, no qual os agricultores podem oferecer colheitas sustentáveis aos compradores em quatro categorias ambientais.

Tecnologia à base de plantas

E o futuro já chegou com o desenvolvimento em tecnologia de alimentos à base de plantas que produziu mudanças em empresas agrícolas tradicionais.

Em todo o mundo, alimentos substitutos da proteína animal registraram um faturamento de US$19,5 bilhões no ano passado, em um cenário em que um em cada quatro consumidores no mundo busca reduzir o consumo de carne.

A ImpossibleFoods– um dos líderes de mercado – produz atualmente meio milhão de libras de seu substituto de carne à base de plantas todo mês para 3.000 restaurantes, incluindo o Burger King.

No mercado brasileiro, novos produtos da Fazenda Futuro e seus hambúrgueres feitos de ervilhas, proteína de sojae grãos-de-bico, além dos planos da Seara de lançar um hambúrguer à base de plantas, estão atendendo às demandas dos consumidores por alternativas saudáveis. 

 E agora o anúncio da entrada da Marfrig nesse mercado.

Segundo dados da PlantBasedFoods Association e da Nielsen, o faturamento em dólares da categoria de alimentos à base de plantas cresceu 20% em 2018, com vendas que atingiram US$3,3 bilhões, em comparação a um crescimento de apenas 8% no ano de 2017.

Os consumidores, em especial os millennials e da geração X, estão tomando decisões alimentares de compras.

 

Preocupados com a sustentabilidade,  saúde do planeta e do meio ambiente, estão dispostos  a pagar mais por essas escolhas

Os consumidores, em especial os millennials e da geração X, estão tomando decisões alimentares e de compra com base em preocupações de sustentabilidade no que diz respeito à saúde do planeta e do meio ambiente.

Os mesmos consumidores também tendem a demonstrar maior preocupação com os alimentos que ingerem e estão dispostos a gastar mais por essas escolhas.

Aqui, mesmo tradições culturais no que diz respeito ao consumo de carne estão mudando. O que achei muito interessante é que cerca de 30 milhões de brasileiros se consideram vegetarianos.

Dessas pessoas, 7 milhões se autodeclaram veganas, renunciando também a produtos de origem animal, como queijo, leite e ovos. No Brasil, aqueles que procuram reduzir o consumo de carne contam agora com diversas opções nas gôndolas dos supermercados, de salsichas vegetais e cachorros-quentes veganos a ‘filés de peito de frango’ à base de ervilha.

Crescimento dos alimentos orgânicos, nos EUA e no Brasil, apresenta mais oportunidades para frutas e verduras frescas

As oportunidades de consumo estão nos nichos – como consumidores orgânicos e nas compras online.

Segundo dados da Forrester Research, há previsão de que o faturamento do mercado global de compras de gêneros alimentícios on-line dobre de US$ 150 bilhões em 2017 para US$ 334 bilhões até 2022. 

Um estudo global constatou que, até o ano de 2020, 35% dos compradores gastarão de 26% a 40% de seu orçamento de supermercado em compras online.

Já o crescimento dos alimentos orgânicos, tanto nos EUA quanto no Brasil, apresenta mais oportunidades para frutas e verduras frescas.

Em 2018, o faturamento de alimentos orgânicos nos EUA totalizou um recorde de US$ 47,9 bilhões. Frutas e verduras orgânicas representaram 36,3% de todo o faturamento de alimentos orgânicos no ano passado, compreendendo 14,6% de todos os produtos frescos vendidos nos EUA e representando vendas de US$ 17,4 bilhões.

 

Os brasileiros consomem mais alimentos orgânicos como as frutas e verduras frescas, que apresentam mais oportunidades no mercado de produtos saudáveis. Foto: Divulgação

 

Construir um mundo mais saudável

Quanto à indústria de produtos agrícolas frescos, devemos ser ousados e não permitir que a proteína defina o produto.

Ainda que produtos à base de plantas certamente possam incluir frutas e verduras, eles não são capazes de substituí-las nas dietas e hábitos alimentares dos consumidores.

Esta é a maior ameaça que enfrentamos. Nosso trabalho continua sendo o de ajudar o mundo a entender que a única coisa mais simples a fazer para atingir uma vida plena e intensa é consumir mais frutas e verduras.

A PMA concluiu uma pesquisa de mercado que enfocou os consumidores brasileiros e as razões por que eles consomem – ou não consomem – frutas e verduras.

Frutas na forma de sucos e legumes como ingredientes complementares à carne

Constatamos que os consumidores brasileiros tendem a comer frutas e verduras frescas por razões específicas ou em refeições específicas.

Com maior frequência, os brasileiros consomem frutas na forma de sucos, o que também desencoraja o seu consumo de outras maneiras, como ingredientes em um prato ou o fruto inteiro.

Já os legumes são frequentemente usados como ingredientes complementares à carne, quer seja como um acompanhamento, quer seja como um ingrediente em um guisado, limitando sua capacidade de ser apresentado sozinho e ser o destaque de uma refeição.

Como varejo, existe a oportunidade de educar os consumidores como podem incluir mais frutas e verduras em refeições durante todo o dia.

Como indústria, devemos trazer mais inovação na forma como demonstramos o pleno potencial de sabor de frutas e verduras através de abordagens estratégicas de marketing que combinam merchandising, publicidade e conteúdo on-line envolvente.

O desafio da indústria é assegurar que o resto do mundo saiba que a única coisa mais simples que podemos fazer para atingir uma vida plena e intensa é fazer com que as pessoas consumam mais frutas e verduras. Construir um mundo mais saudável.

 

Cathy Burns é CEO do PMA – Produce Marketing Associationwww.pma.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − um =